Ciro “Maluco” Gomes começa usar a sua metralhadora verbal!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

O pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou nesta sexta-feira (27), em evento da UGT (União Geral dos Trabalhadores) em São Paulo, que atuará para “destruir” o MDB, caso seja eleito em outubro, “pelo caminho das ferramentas democráticas”.  “Uma coisa é certa no meu governo: o MDB vai me fazer oposição e eu vou partir para destruí-lo pelo caminho das ferramentas democráticas, especialmente tirando oxigênio da roubalheira, que é o que explica o tamanho desse partido –embora tenha exceções, como o senador Roberto Requião [do Paraná], que é um homem absolutamente digno e honrado”, disse. A menção ao partido do presidente Michel Temer ocorreu pelo fato de Josué Gomes da Silva, da Coteminas, ser cotado pelo próprio Ciro para ser vice na chapa. Hoje no PR, Silva já foi filiado ao MDB. Convidado da UGT (União Geral dos Trabalhadores) para um ciclo de palestras com presidenciáveis na capital paulista, Ciro mencionou os nomes do apresentador Luciano Huck e do ex-prefeito de São Paulo, João Doria, pré-candidato pelo PSDB ao governo paulista, ao ser questionado sobre o desempenho do ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa (PSB), na última pesquisa Datafolha –dependendo do cenário, Barbosa e Ciro chegam a empatar. O ex-ministro do Supremo ainda não se declarou pré-candidato, mas é cotado como nome do partido ao qual se filiou este mês e tem aparecido entre os cinco mais lembrados nas pesquisas recentes de intenção de voto. “Veja: três meses atrás era o Huck, cinco meses atrás, o Doria. Há uma fração da população brasileira muito  desencantada, e não faltam razões a ela para isso, com a política. Busca-se algo novo, diferente. Talvez seja essa a razão de uma partida tão expressiva [de Barbosa nas pesquisas]. É bom para o país que se apresentem alternativas afirmou. Doria ensaiou uma pré-candidatura presidencial em meio a uma sequência de pelo menos 40 viagens a outras cidades e Estados, no segundo semestre do ano passado. A estratégia não vingou e chegou a causar desconforto com o então governador Geraldo Alckmin (PSDB) –fiador político de Doria na eleição municipal. O prefeito renunciou ao mandato com 15 meses de administração para se lançar ao governo de São Paulo. Já Huck, que era sondado por partidos, não se filiou e anunciou em artigo na Folha que não disputaria o processo eleitoral. Sobre alianças, descartou apenas o MDB e disse que o cenário só deve começar a ficar mais nítido a partir de junho. O ex-governador do Ceará e ex-ministro em governos petistas admitiu que conversava formalmente com o PSB, até Barbosa se filiar. “Até um tempo atrás a gente tinha uma conversa formal bastante clara acertando as bases nos estados com o PSB, que, de repente,filia o Barbosa. Mas isso tem que ser respeitado”, minimizou. Ciro negou uma eventual negociação para ter Barbosa como vice. “Ele é um candidato competitivo, não sinto temor nenhum. No Ceará, dizemos que quanto mais cabras, mais  cabritos — o povo brasileiro precisa de um grande debate. Mas seria uma coisa pouco humilde chamar um homem dessa altura para vice”, afirmou. O pedetista também descartou que Barbosa seja uma espécie de “balão de ensaio” uma vez que havia citado as tentativas de Doria e Huck de oficializarem seus nomes ao Planalto . “Não há hoje no Brasil uma pesquisa que possa ser comparada com a outra – pesquisa só tem importância quando revela tendência, e não  temos uma única pesquisa que tenha sido repetida ainda.” Para Ciro, “o que vai acontecer com a candidatura de Lula e que tipo de acomodação terá [o cenário eleitoral] com essa estratégia que o PT tomou é que deve ser a “variável central” das pesquisas futuras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×