Às vésperas da eleição presidencial que se tornou um plebiscito… A verdade não está chegando até VOCÊ

Caro leitor,

Faltando 72 horas para a eleição presidencial mais decisiva da história da República, o antipetismo nunca foi tão grande.

Até aqui, a tendência das pesquisas mostrou crescimento de Bolsonaro e aumento da rejeição ao candidato-poste de Lula, com vantagem para o capitão.

Isso acendeu um alerta no PT e levou Bolsonaro a intensificar sua campanha no Nordeste, buscando cravar uma vitória ainda no primeiro turno.

Resta saber se a tendência terá forças para decidir a eleição no próximo domingo, com a ajuda do antipetismo embutido no “voto dos envergonhados”.

Nesta sexta-feira, dia 5, a pesquisa Crusoé/Empiricus trará os números do último levantamento antes de os eleitores irem às urnas.

Enquanto isso não acontece, só existe uma alternativa possível:

1— Ou o país retoma as rédeas do crescimento, com a aprovação das reformas estruturais necessárias para resgatar a economia do limbo;

2— Ou retrocede à antiga matriz populista, responsável pelas atuais mazelas como desemprego, inflação, falência da indústria e total desajuste nas contas públicas.

Mas, apesar da importância histórica destas eleições, a imprensa não está falando toda a verdade para você.

Não espere para ser pego de surpresa.

Pense que diferença faria se todos estivessem vigilantes há exatos quatro anos.

Às vésperas da reeleição de Dilma Rousseff, em outubro de 2014, as verdadeiras intenções da ex-presidente não eram plenamente conhecidas.

E o resultado foi catastrófico:

O que Dilma prometeu em out/2014Impacto na economia até o impeachment
Baixar a conta de luzApagão e tarifaço
Retomada do crescimentoO PIB despencou e chegou a 3,85% negativos
Controlar a inflaçãoA inflação saltou de 6,40% para 10,67%
Não elevar jurosA Selic chegou a 14,25%
Geração de empregoA taxa de desemprego cresceu 90%

Economia não admite experiências de laboratório. Erros cobram seu preço e as consequências podem se estender por gerações.

 copy-1-628x79 Às vésperas da eleição presidencial que se tornou um plebiscito… A verdade não está chegando até VOCÊ Politica
InfoMoney — outubro 2016

Depois será tarde para você se dar conta que não conhecia toda a verdade.

Em caso de guinada à esquerda —e por enquanto ninguém pode excluir essa hipótese—, há risco de retrocesso até mesmo nos avanços da Lava Jato contra a corrupção.

 copy-2-1-628x50 Às vésperas da eleição presidencial que se tornou um plebiscito… A verdade não está chegando até VOCÊ Politica
Blog do Josias de Souza — junho 2018

A volta à matriz populista é hoje uma possibilidade real que coloca em xeque os planos que você tem para si e sua família.

Desde uma simples viagem para fora que implica gastos em moeda estrangeira… até montar um negócio próprio que envolve a reforma trabalhista.

O resultado das próximas eleições pode representar um novo período de atraso na vida que estamos tentando recuperar desde o último impeachment.

Por isso, enquanto a imprensa dorme no ponto, cabe a você estar atento:

1) Assuma o controle. Político diz uma coisa e faz outra, você tem de ser mais crítico e selecionar ativamente suas fontes de informação;

2) Tenha acesso ao conhecimento. Ele está um passo adiante da notícia e só alguns são capazes de oferecê-lo;

3) Apoie família e amigos. Apenas com uma interpretação independente dos fatos teremos indivíduos aptos para escolher os melhores caminhos.

Apesar de a vigilância ser indispensável neste momento, o que a imprensa anda fazendo por você?

Não nos referimos aos embates televisivos, à cobertura da agenda dos candidatos nem aos números das pesquisas divulgados à exaustão.

Nos referimos à função primordial do jornalista de se manter vigilante. À vocação de denunciar o que estiver errado, doa a quem doer.

Millôr Fernandes tinha uma excelente definição para isso:

“Jornalismo é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.”

A poucos dias das eleições mais decisivas da história da República, a imprensa NÃO está vigilante como deveria.

Pelo fato de que quase todos os políticos mentem — e omitem —, sempre se deve desconfiar deles. E os mais desconfiados deveriam ser os jornalistas.

Mas, analisando a imprensa brasileira de hoje, chegamos à conclusão que a balança pende bem mais para o lado dos poderosos do que para o lado dos inconformados.

Não se iluda.

A engrenagem continuará girando para esmagar a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.